Sitramico | O Sindicato
SITRAMICO - RJ
Sindicato dos Trabalhadores no Comercio de Minérios
e Derivados de Petróleo do Estado do Rio de Janeiro.
Centro (21)3231-2700   Caxias (21)2671-1423   Ilha (21)3396-9018   Teresópolis (21)2641-8060

O Sindicato

Unidades:

                SITRAMICO-RJ TELEFONES:
Sede Rua: México nº11 sala 501 centro (21) 3231-2700
Sub-sede- Rua: Tenente José DiasJOSÉ DIASDEPUTADO ESTADUAL – PSD (RN)Total arrecadado: R$ 392.550Não foram encontradas doações empresariais superiores a R$ 5000. nº133  Caxias Centro (21) 2671-1423
Sub-sede- Estrada do galeão nº11 / 105  Cacuia – Ilha do Governador (21) 3396-9018
Sub-sede Campestre Rua da Piscina, no 450 – Posse – Teresópolis (21) 2641-8060

E-mail: faleconosco@sitramico-rj.org.br

Leia aqui o livro de 75 anos do SITRAMICO-RJ: Livro 75 Anos Sitramico

Nossa História:

A história do SITRAMICO-RJ está intimamente ligada às lutas sociais e ao movimento pela democracia no Brasil. Uma história, que se os próprios autores pudessem contar, teríamos como unir fios e laços para conhecer melhor o que foi o Brasil desde a década de 30 até os dias de hoje.

Em mais de 80 anos, nosso sindicato atuou em vários tipos de lutas! Acompanhou as transformações políticas e econômicas do nosso país, ativamente, sempre em defesa dos (as) trabalhadores (as).

Desde o início das nossas atividades, em 1931, temos nos adequado aos novos desafios impostos por um mundo em constante evolução, numa área que sofreu múltiplas transformações ao longo dos anos.

Uma das batalhas mais relevantes se travou em 1938, através do então presidente, François Aguiar, que, na época, enfrentou a multinacional ATLANTIC contra a discriminação e a perseguição sofrida por um trabalhador judeu que era aliado ao sindicato. Naquele momento, a categoria foi para as ruas e lutou contra a injustiça. As manifestações contavam com mais de 2 mil trabalhadores que tomaram conta do prédio do Ministério do Trabalho.

Em 1949, a diretoria sob a liderança do presidente Julio Peixoto, comprou a atual sede do sindicato na Rua México. A região, que na época era o Distrito Federal, concentrava grandes empresas distribuidoras de petróleo. Ter um sindicato no Centro do Rio de Janeiro significava estar próximo ao (a) trabalhador (a). Julio Peixoto conhecia a dificuldade dos (as) companheiros (as)  e, assim sendo, não se furtou a construir um modelo de gestão que englobasse assistência médica e escola para os (as) trabalhadores (as) e seus filhos. Naquela época tudo era muito difícil. O Brasil não tinha escolas, nem hospitais como tem hoje. Julio Peixoto lutava por educação e saúde para os (as) trabalhadores (as), e começou sua luta dentro do sindicato, procurando meios para fazer isso, a partir de sua categoria. Queria ser exemplo a ser seguido. Foi com ele também que aconteceu a Greve das Horas Extras, um movimento que foi responsável por muitas vitórias do sindicato contra as multinacionais de petróleo.

Dos anos de chumbo da ditadura militar surgiu o presidente Ronaldo – O Petroleiro. Foi ele que na década de 70 encabeçou o “movimento dos sindicalistas autênticos”, que transformou as bases políticas do país. Ele, no Rio de Janeiro, junto com Lula no ABC Paulista lideraram as comissões intersindicais, que construíram um potente trabalho em torno do processo de redemocratização do Brasil. Além disso, esse trabalho articulou a união e uma forte organização do movimento sindical num movimento de mobilização nacional que provocou o surgimento de novas lideranças no sindicalismo brasileiro, ajudando a criar o que foi o início da Central Única dos Trabalhadores – CUT.

Outra diretoria desse sindicato liderada pelo presidente Hamilton Vieira, na década de 80, foi responsável por várias lutas pelos (as) trabalhadores (as) nas empresas de GLP e nos Postos de Gasolina e pelo movimento contra o Metanol que foi liderado pelo sindicato do Rio de Janeiro que se impôs diante das forças políticas da época impedindo que aquele produto fosse utilizado na composição da gasolina no estado do Rio de Janeiro o que, posteriormente, expandiu-se para todo o Brasil.

Não podemos esquecer também a luta contra as bombas self-service, que durante a gestão da diretoria do presidente Rufino, no final da década de 90, mobilizou todos os sindicatos do Brasil, impedindo que milhares de trabalhadores (as) frentistas ficassem sem emprego.

Relembrar a nossa história é importante para que, primeiro, as novas gerações possam compreender que nada do que foi construído se fez sem lutas, e segundo, para que possamos nos motivar mais, enxergando melhor nossas possibilidades de continuar construindo a história. Em todos esses anos tivemos muitas conquistas, mas ainda há muito a fazer e contamos com o apoio e a mobilização de nossa categoria para conquistar sempre mais.

No início de 2013, o SITRAMICO-RJ se filiou à CUT. . Assim como todos os últimos passos dados, esta filiação tem o objetivo de ampliar nossas lutas e conquistas garantindo uma maior participação política. Temos vários assuntos da pauta trabalhadora em tramitação no Congresso Nacional e apenas unidos com outros sindicatos e categorias conseguiremos evitar que projetos de lei nocivos aos trabalhadores sejam aprovados.